em Doenças, Exames, Tratamentos

Descubra como funciona o olho e por que algumas pessoas precisam usar óculos

Você já parou para pensar em como conseguimos enxergar? O olho é um dos órgãos mais complexos do corpo humano, mas é possível entender o funcionamento básico dele sem muita complicação e, com isso, compreender por que algumas pessoas precisam usar óculos.

Se formos comparar nosso olho com o funcionamento de uma câmera fotográfica, a retina seria o filme – ou o chip, no caso de câmeras digitais. É, portanto, na retina que a imagem captada é decodificada e enviada ao cérebro. Localizada na parte de trás do olho, a retina tem milhões de células fotorreceptoras, que, como é possível compreender traduzindo a palavra do latim, tem a função de transformar as ondas luminosas que chegam ao nosso olho em imagens – o que, nas câmeras digitais, seria a junção dos pixels.

Dentro da retina, a região que mais tem células fotorreceptoras é a mácula. Esta região é responsável por distinguir os detalhes do que enxergamos, inclusive as cores. É com a mácula, inclusive, que os diabéticos precisam se preocupar, já que a doença pode fazer esta região do olho inchar e, em alguns casos, isso pode levar à cegueira – entenda. (LINK PARA O OUTRO POST).

Partindo desta mesma lógica, se a retina é o filme fotográfico, as lentes dos nossos olhos seriam a córnea e o cristalino. Estes dois são responsável por unir as ondas luminosas e levá-las à retina. A córnea fica na parte externa do olho, enquanto o cristalino está localizado na parte interna, atrás da pupila, que é a bolinha preta que pode ser vista a olho nú.

Por falar em pupila, ela é a responsável, junto com a íris (a parte colorida), por regular a quantidade de luz que passa para dentro do olho. Para entender o funcionamento da pupila, basta se lembrar das ocasiões em que você passou por um exame oftalmológico e teve que dilatar a pupila. A visão fica embaçada, não é mesmo? A lógica é simples: como a pupila fica maior, entra luz demais no olho e a córnea e o cristalino não conseguem filtrá-las corretamente para mandar uma quantidade adequada de luz para a retina.

Depois de compreender o funcionamento geral do olho, é possível entender como a miopia, o astigmatismo e a hipermetropia afetam as pessoas que precisam usar óculos.

A miopia, que é a dificuldade de enxergar à distância, trata-se de um erro de refração que impossibilita a luz que entra pelos olhos de chegar até a retina (o “filme fotográfico). O globo ocular dos míopes são mais extensos e, por isso, a imagem se forma antes da retina, e não sobre ela, o que faz com que a decodificação da luz em informações seja precipitada e chegue de maneira errada no cérebro;

A hipermetropia, que se trata da dificuldade de enxergar de perto, é basicamente o oposto da miopia. Quem sofre deste problema geralmente tem o globo ocular um pouco mais achatado. Por isso, a imagem se forma depois da retina (o “filme fotográfico”), e não sobre ela, o que também faz o cérebro ter dificuldade em processar corretamente a imagem;

O astigmatismo, que embaça a visão tanto de perto quanto à distância, é um erro de refração que afeta principalmente a córnea, que em vez de ser côncava, torna-se ovalada. Isso faz com que a luz chegue “desfocada” na retina, onde a imagem é processada.

 

Consulta e Revisão : Dra. Francyne Veiga Reis Cyrino

Postagens Recentes

Deixe um Comentário

Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support
× Fale conosco via WhatsApp